Excesso de umidade no solo traz prejuízos: como evitar?

Excesso de umidade favorece o surgimento de doenças na lavoura e afeta produção de diversas culturas. Saiba como evitar

Produção de milho afetada pelo excesso de umidade

Produção de milho afetada pelo excesso de umidade devido ao volume de chuvas.

Não há dúvidas de que o controle efetivo da umidade do solo é muito importante para a produção agrícola, pois o excesso pode ser muito prejudicial. Ele pode ser provocado por causas artificiais (processos de irrigação) ou naturais (excesso de chuvas), sendo esta última a mais comum. De acordo com o Governo do Estado do Paraná, por causa do excesso de umidade no estado, a expectativa é que em 2021 a produção de grãos seja 3% menor do que a do ano anterior.

É claro que a chuva não é sempre negativa para os agricultores. Na medida certa, ela é fundamental para qualquer tipo de plantação. Contudo, em excesso, dificulta a colheita, favorece o surgimento de várias doenças na lavoura e em casos mais graves, apodrece as raízes e frutos.

Felizmente tudo isso pode ser minimizado e até mesmo evitado com a drenagem do solo. Quando feita de maneira correta, ela melhora a qualidade do solo e viabiliza a produção agrícola. Neste artigo detalhamos um pouco mais sobre o assunto para que você entenda o porquê a drenagem agrícola é tão importante.

 

Excesso de umidade e o solo

Desde crianças aprendemos o quanto a água é importante para o solo e para as plantas. Afinal de contas, ela é a responsável por levar para o solo nutrientes e sais minerais, que são absorvidos pelas plantas em seus processos de nutrição.

Contudo, quando há um grande volume de chuvas em regiões agrícolas, os problemas começam a aparecer. Só para se ter uma ideia, a falta de luminosidade diminui a velocidade da fotossíntese das plantas, o que compromete o seu metabolismo e resulta em grãos mais frágeis e sujeitos a pragas.

Ainda por causa da falta de luminosidade, não há como secar os grãos. No Tocantins, por exemplo, a solução encontrada por muitos agricultores tem sido levar a soja para secar no estado do Maranhão. No Mato Grosso, cerca de 16% a 22% da produção de soja na região já se encontrava avariada (no momento em que este artigo foi escrito).

Além de prejudicar o metabolismo das plantas e afetar a qualidade dos grãos, o excesso de água também dificulta o trânsito de maquinários e atrasa a produtividade. E favorece a salinidade do solo, o que atinge o desenvolvimento das raízes das plantas.

 

Como prevenir o excesso de umidade? Drenagem do solo é a solução

A melhor forma de evitar tantos prejuízos é a prevenção. É possível garantir que a chuva não irá cair em maior volume? Não, mas é possível controlar a umidade do solo através da drenagem adequada para reagir apropriadamente.

De forma clara, a drenagem é o processo pelo qual se escoa a água de uma área. No solo, isso permite melhorar a aeração, estruturação e resistência do local, além de uma temperatura mais adequada.

Aeração

Quando falamos em aeração, nos referimos aos níveis de oxigênio presente no solo, que é drasticamente reduzido com o excesso de água. Sem oxigênio, as raízes não se desenvolvem e há a deficiência de nitrogênio. Como resultado, as plantas ficam fracas e amareladas.

Estrutura e resistência

Já com relação à estrutura, o excesso de umidade deixa o solo menos resistente ao tráfego de máquinas e equipamentos, resultando em sua compactação. Isso, por sua vez, reduz a permeabilidade do solo e impacta no crescimento das raízes.

Temperatura

Não se deve esquecer que solos mais úmidos possuem mais dificuldades para serem aquecidos. No entanto, algumas culturas requerem aquecimento rápido para uma produção de qualidade. Felizmente, a drenagem subterrânea do solo afeta positivamente essa condutividade de calor.

 

Benefícios da drenagem do solo

Conforme você pode perceber, a drenagem agrícola melhora a temperatura, a resistência e os níveis de oxigênio do solo. Porém, esses não são os únicos benefícios da drenagem. Além desses, há outros que de igual forma merecem a sua atenção:

Evita a lixiviação de nutrientes

O excesso de chuvas provoca um fenômeno chamado de lixiviação do solo, caracterizado pelo movimento de nutrientes importantes como o potássio, nitrogênio e enxofre. O alto volume de água leva esses nutrientes para longe das raízes e afetam o crescimento das plantas.

Já com a drenagem subterrânea isso praticamente não acontece. Já que ela favorece a percolação do excesso de água e, neste processo os nutrientes ficam no solo que atua como um filtro para a água. O objetivo é justamente retirar o excesso de água existente no interior do solo, mantendo-o mais saudável e apto para o cultivo.

Diminui as doenças na lavoura

Conforme se viu acima, o excesso de chuvas e o solo inundado fragilizam as plantas. Com isso, há o maior risco para que fungos e outras pragas prejudiquem a plantação, tais como:

  • Ferrugem;
  • Giberela (fusariose);
  • Brusone;
  • Phytophthora infestans;
  • Erwinia carotovora.

Ao contrário dessa lógica, uma drenagem bem-feita diminui o risco dessas doenças. Elas são causadas por bactérias ou fungos que encontram no excesso de umidade um ambiente favorável para o seu desenvolvimento.

Controla a salinidade

Uma boa drenagem também pode controlar melhor o lençol freático. Este retém fertilizantes e outros produtos químicos aplicados nas lavouras ao longo dos anos, resultando assim, em alta concentração de sais.

Em níveis elevados, minerais como cloreto, sódio e boro podem prejudicar o desenvolvimento das raízes das plantas e até mesmo gerar toxicidade generalizada. Por isso, a drenagem irá permitir que se tenha a salinidade adequada: nem em excesso e nem em falta. Com isso, aumenta também a “saúde” do solo.

Aumenta a produtividade agrícola

Cabe ainda ressaltar que a drenagem do solo pode impactar positivamente na logística agrícola. Com solo encharcado, tanto os agricultores quanto os maquinários não conseguem chegar até as lavouras. Por isso, investir em drenagem agrícola é investir também em eficiência.

E não somente isso, o aumento da produtividade está no fato de que com o controle da umidade a raiz pode aprofundar mais no solo. Isto, por sua vez, gera uma planta maior e mais produtiva.

 

Como fazer a drenagem do solo?

Sabe-se que os agricultores utilizam algumas soluções de drenagem para o excesso de umidade. O mais comum é utilizar tubos para drenagem subterrâneos, abrir canais, valas ou túneis para a água ter por onde escoar.

Entretanto, alguns cuidados devem ser tomados. Primeiro, é feito um estudo topográfico no local para saber qual o tipo de sistema e material mais eficiente. Atualmente, os tubos de plásticos em Polietileno de Alta Densidade (PEAD) são os mais recomendados, em especial porque possuem uma vida útil de 50 anos.

Esse tipo de tubo deve ser instalado abaixo do solo e é mais leve do que a média do mercado: 1/8 do peso equivalente em aço. Além disso, é de fácil instalação, o que se torna mais acessível para agricultores com menos potencial econômico. Ele também é flexível e pode ser dobrado em pequenas curvaturas.

Uma característica importante que os tubos corrugados para drenagem em PEAD apresentam é o fato de ajudarem a evitar a erosão. Isso significa que o agricultor irá gastar pouco com manutenção mesmo em zonas de condições climáticas mais adversas. A resistência química também se destaca.

No geral, é importante prestar atenção a todos esses pontos na hora de criar um sistema de drenagem. Os agricultores devem observar ainda se a matéria-prima utilizado na fabricação dos drenos é de origem tóxica ou não, pois isso pode contaminar o solo.

O investimento em um sistema de drenagem com tubos seguros e duráveis se paga no médio prazo, pois se corretamente aplicados a durabilidade passa de 50 anos.

Tipos de drenagem para conter o excesso de umidade no solo

Além do material adequado, é importante saber que há vários tipos de drenagens. Entre as mais utilizadas na agricultura, destacam-se a superficial e a subterrânea.

  • Drenagem superficial: é a mais conhecida, sendo ideal para terrenos regulares. Nessa modalidade, são criadas valas abertas (também chamadas de trincheiras drenantes) para fazer o escoamento do excesso de água da superfície. Contudo, não é tão efetiva quanto a drenagem subterrânea;
  • Drenagem subterrânea: nesse caso o excesso de umidade é retirado de dentro do solo através de tubos para drenagem com profundidade e declividades controladas. Este, se implantado corretamente, é um processo preciso, quase “cirúrgico”, e uniforme de controle da umidade. Assim, garante um maior controle do nível do lençol freático e ao mesmo tempo da disponibilidade de água para a raiz na profundidade correta.

 

Como a TechDuto pode ajudar no controle do excesso de umidade?

Como se pode perceber, são muitos os detalhes sobre a drenagem do solo. Há métodos e especificações que irão variar em cada projeto, mas investir em qualidade é essencial. É a partir desse cuidado que se poderá criar um sistema de drenagem durável.

Os tubos corrugados para drenagem em PEAD da linha techdreno são um exemplo de como soluções acessíveis e precisas permitem controlar o excesso de umidade na agricultura. A TechDuto possui a linha de drenagem mais completa do mercado com tubos e acessórios específicos para esse fim. Somos uma empresa brasileira que há mais de 30 anos investe em tecnologia, qualidade e inovação para oferecer os melhores produtos para atender a diferentes necessidades.

Gostou deste artigo? Então continue acompanhando o blog da TechDuto para conhecer outras soluções inovadoras para drenagem de solo, geração de energia, aterros sanitários e várias outras aplicações.