Corrugado | PEAD | Reciclagem | NBR 15715 | Drenagem - Cálculos | Drenagem Blog | Sistema de Volumes
Página Inicial
Em Português
In English
En Español

Mapa do Site

Artigos sobre Corrugado, PEAD, Tubos Corrugados, Drenagem etc.Corrugado em PEAD para Eletrica ou Drenagem e Tubos Lisos em PEAD ou PEBDTechduto Tecnlogia em CorrugadoCorrugado em PEAD testado, aprovado e Homologado nas principais concessionarias de energia.Fale Conosco e descubra porque a Techduto é sua melhor opção em Corrugado.

Corrugado :: tubos dreno e dutos em PEAD

Fale conosco e descubra porque a Techduto entende de corrugado.

Muitos desconhecem a incrível flexibilidade de uso do tubo corrugado em PEAD na confrontação com outros materiais. Os tubos corrugados são extremamente flexíveis, mais resistentes e mais leves. Eles surgiram para mudar de vez o conceito sobre instalação de tubulações elétricas subterrâneas e de tubos para drenagem de solos.

O tubo corrugado é rígido e flexível, não sucetível a rompimentos durante a instalação.

As características do tubo corrugado em PEAD permitem uma boa economia no valor e na sua instalação. Eles são rígidos, leves e flexíveis, portanto não sucetíveis a rompimentos durante os processos de instalação e manipulação. Possuem superficie regular que é resistente à abrasão, corrosão e contato de substâncias químicas. Além disso devido a superfície corrugada são estruturalmente fortes e tem característica de suportar grandes cargas. A estabilidade estrutural dos tubos decorre do seu formato técnico.

Como o PEAD tem a característica de se acomodar sob estresse ele traz muitas vantagens para uso de tubos corrugados feitos com esse material em instalações subterrâneas. Após o tubo ser instalado e enterrado no solo ele se acomoda de tal forma que a carga a que é submetido acaba sendo transferida também para o solo adjacente, aumentando em muito a sua resistência.

Corrugado CinzaA Techduto - indústria de transformação de plasticos especializada em tubo corrugado em PEAD - tem corpo técnico que possui mais de 30 anos de experiência nessa área. Esse conhecimento vai desde o desenvolvimento de moldes até equipamentos completos para a fabricação de nossos produtos o que garante aos nossos clientes os melhores produtos e a maior qualidade.



Fig. 1 - Tubo Corrugado Cinza


Um dos grandes diferenciais da Techduto são nossos constantes testes de qualidade realizados em laboratório próprio. Testamos desde a materia-prima a nós fornecida até os tubos corrugados já acabados para que tenham sempre as suas características próprias. Além disso temos laudos emitidos pelo Laboratório Falcão Bauer e a homologação nas principais concessionárias de energia do país.

Voltar ao início


HISTÓRIA DO POLIETILENO DE ALTA DENSIDADE (PEAD)

Em 1935 Eric Fawcett e Reginald Gibson, britânicos, criaram uma forma sólida de polietileno que foi usada comercialmente para isolar cabos de radar durante a Segunda Guerra Mundial. Em 1953, Karl Ziegler e Erhard Holzkamp inventaram o polietileno de alta densidade. Dois anos depois, em 1955, o PEAD foi produzido como tubo. Pela invenção do PEAD, Karl Ziegler ganhou o Prêmio Nobel de Química em 1963.

Voltar ao início


CARACTERÍSTICAS DO PE (PEAD E PEBD)

Os materiais poliméricos obtidos a partir dos hidrocarbonetos não saturados ditos olefinas, são de extrema importância industrial. Os membros principais são o Polietileno de baixa densidade (PEBD). Destacam-se ainda alguns copolímeros de certa importância. Esses polímeros são estudados juntos, em vista que, pelas suas propriedades, formam uma única família de polímeros. O termo poliolefina é sinônimo de polímero e/ou copolímero.

Desde que uma das diferenças fundamentais entre os dois polietilenos reside na densidade, chamam-se tipos de baixa(PEBD) e alta densidade(PEAD). Outra maneira de designá-los é pelo tipo de fabricação. Em particular, um preparado em condições de alta pressão (1000 à 2100 kg/cm2), enquanto que o outro é fabricado em pressões menores de 35 kg/cm2. Infelizmente, o processo de alta pressão produz o tipo de baixa densidade e vice versa, de modo que muita confusão ainda existe. Os termos polietileno “linear” e polietileno “ramificado”, são também usados e se referem à estrutura do polímero. O polietileno de alta densidade (produzido pelo processo de baixa pressão) é do tipo linear, enquanto que o de baixa densidade (produzido pelo processo de alta pressão) é do tipo ramificado. A nomenclatura mais utilizada para os diferentes tipos de polietileno referem-se às suas densidades (alta e baixa).

A densidade dos tipos de PEAD é da ordem de 0,942 a 0,965 g/cm3.

Por sua baixa temperatura de congelamento - da ordem dos -110º.C a   -120º.C aproximadamente o PEAD é muito resistente ao impacto a baixas temperaturas. A tenacidade dos diferentes tipos de PEAD ao golpe e ao impacto, depende de vários fatores, tais como tipo e proporção de monômero ou das misturas incorporadas e muito particularmente da cristalinidade (densidade) e do peso molecular.

O PEAD é resistente em amplo grau aos agentes químicos, estáveis a quase todos os solventes, a temperaturas inferiores a 60º.C. As temperaturas superiores, o PEAD é dissolvido que presença de, por exemplo, decahidronaftalina e de hidrocarbonetos aromáticos e halogenados.

Aplicações Gerais: tubos corrugados, garrafas, brinquedos, utilidades domésticas.

Características:

  • Transparente em filmes, e translúcidos em espessas seções;
  • Razoavelmente duro e rígido;
  • Fácil corte; a área cortada é lisa;
  • Flutua;
  • Não é auto-extinguível; funde; goteja e usualmente pára ao tocar no chão; chama com fundo azul e topo amarelo e fumaça branca; cheiro de vela queimada (parafina) quando a chama é apagada.

Voltar ao início


TIPOS DE TUBOS CORRUGADOS

O tubo corrugado mais utilizado é o de Tipo C. Este tubo tem corte transversal circular completo e superfície corrugada anelar por dentro e por fora. Também existem outros dois tipos de tubos corrugados chamados de Tipo S e Tipo D. O primeiro diferencia-se pela parede dupla, onde é liso por dentro e corrugado por fora. Já o segundo tem parede tripla sendo liso por dentro e por fora, com o corrugado anelar ou espiral entre as paredes.

O tubo corrugado do tipo C tem uma grande variedade de tamanhos. Para menores diâmetros as conexões entre tubos são feitas por luvas e plugs. Já nos diâmetros maiores as conexões são feitas com encaixes corrugados e fechados com reforços plásticos. Há também os o-rings (anéis de borracha) utilizados nas conexões para garantir a fixação e a selar completamente.

Dutos Corrugados
Esse produto é incrivelmente versátil. Seu maior consumo é voltado para a proteção de cabos elétricos principalmente em empresas de energia elétrica e de cabos de dados(telefonia, internet etc.) em empresas de telecomunicações. Mas também é utilizado para diversos tipos de drenagem como: recolhimento de lixiviados em aterros sanitários, drenagem superficial, recolhimento de esgoto e drenagem subterrânea.






Fig. 2 - Aplicação dos Tubos para Proteção de Cabos Elétricos

Voltar ao início


APLICAÇÕES DOS TUBOS CORRUGADOS

Eis os principais usos e aplições, segmentadas por setores, dos tubos corrugados.

  • Construção civil - Conduítes, ou eletrodutos, para a passagem de fios elétricos (fabricados em PVC, polipropileno(PP), ou polietileno(PE); Tubos de drenagem, para dreno em áreas encharcadas, campo de futebol e muito comum nas construções de estradas.
  • Uso na industria automobilística - Rabichos ou protetores de cabos elétricos, notadamente na área do motor do carro (fabricados em nylon, polipropileno(PP), ou polietileno (PE), e geralmente possuem um corte lateral para facilitar a introdução dos fios); Protetor de fiação, entre o cavalo mecânico, e a carreta de caminhão (fabricados em nylon).
  • Uso na industria de eletrodomésticos (fabricados em polietileno PE) - Condutores de água de saída, para máquinas de lavar louça, máquinas de lavar roupas; Condutores de ar para aspirador de pó; Mangueiras para aspirador de piscina.
  • Uso na área médica - Uso em respiradores artificiais; Aspiradores ou insufladores de ar limpo; oxigênio etc.
  • Irrigação e drenagem - Uso bastante intenso na drenagens de áreas irrigadas principalmente no NORDESTE para a retirada do sal do solo.
  • Industria de máquinas - Usado como protetor de fios e cabos elétricos.
  • Uso diversos - Industria de brinquedos; Assessórios para lustres; Aspirador de pó entre outros.

Voltar ao início

 

DIFERENÇAS ENTRE TUBOS FLEXÍVEIS E RÍGIDOS

Os tubos flexíveis corrugados quando submetidos a cargas maiores tem como vantagem a sua habilidade de se mover ou se acomodar melhor ao terreno sem ter danos estruturais. Os tipos comuns de tubos flexíveis são normalmente constituidos de polietileno, PVC, aço e alumínio. O tubo rígido é o que na maioria das vezes é classificado como o tubo que não consegue curvar mais do que 2% sem que tenha estresse estrutural, tal como rachaduras. São exemplos de tubos rígidos aqueles que são reforçados de concreto e os feitos de argila.

A flexibilidade dos tubos flexíveis (corrugado) traz muitas vantagens para o projetista da implantação dos tubos. Este tipo de tubos pode ser enterrado mais profundamente que os tubos rígidos devido a sua interação com o terreno e acomodação. Já o tubo rígido tem que ser muito mais resistente pelo seu tipo de suporte de carga e a não acomodação ao terreno.

Voltar ao início


BOAS PRÁTICAS DE INSTALAÇÃO E MANEJO DOS TUBOS

O tipo de vala escavada, a canalização da tubulação e a interligação dos tubos corrugados são fatores essenciais para o sucesso de um projeto. Outra questão importante é a compactação do solo onde o tubo será posto, isto pode definir a performance estrutural tanto do tubo corrugado quanto do solo. A pressão constante ao redor do tubo e o suporte uniforme do tubo na direção longitudinal não podem ser alcançados sem cuidar dessas boas práticas.

Existem normas internacionais (no caso dos tubos corrugados para drenagem) que definem essas boas práticas de instalação (ASTM D 2321, AASHTO Section 30 e CAN/CSA B182.11), sendo que cada uma define uma característica do tipo de instalação dos tubos. Um fator importante para a drenagem de estradas é o fluxo gravitacional e na drenagem de pistas de aeroportos é a condição de maior carga das rodas dos aviões a que os tubos enterrados estarão sujeitos. Outra norma define o uso geral do fluxo gravitacional em drenagem de terrenos em geral e no uso para drenagem de lixiviação. Algumas companhias e governos tem suas próprias normas que devem ser respeitadas.

Voltar ao início


DURABILIDADE DOS TUBOS CORRUGADOS EM PEAD PARA DRENAGEM

A durabilidade é a propriedade de resistir a erosão material, degradação e subsequentes perdas de função devidos a condições ambientais ou de serviço. Abrasão, corrosão química e corrosão eletroquimica são as preocupações mais comuns para tubos corrugadosde drenagem. A corrosão química pode ocorrer na presença de terrenos com água contendo ácidos, barrilha, sais dissolvidos e lixo industrial orgânico. Águas superficiais, águas subterrânea, efluentes sanitários, chuva ácida, ambientes perto do mar e drenagem de mina podem carregar esses contaminantes. Os tubos de argila vitrificados e os tubos plásticos corrugados são largamente inertes (ou seja, não são corroidos por esses contaminantes).

Tubo Corrugado para DrenagemDiferentemente dos metais, os tubos corrugados de PEAD são não-condutores e não são vulneráveis à corrosão galvanica gerada pelo ataque eletroquímico. Tubos de polietileno não são degradados por soluções muito ácidas (pH baixo) ou muito básicas (pH alto), sais agressívos ou até mesmo corrosão quimicamente induzida. eles também são insensíveis à baixa resistividade do solo e por isso não sucetíveis à corrosão eletroquímica. Por essas propriedades os dutos corrugados de PEAD podem ser utilizados para a drenagem de effluentes hostis, como chuva ácida, lixo ácido de minas, efluentes com grande concentrações de sais, combustíveis e óleos de motor.

Fig. 3 - Tubo Corrugado para Drenagem

 

O tubo corrugado em PEAD tem vida útil de 50 anos no mínimo, mas ela pode passar de 100 anos.

Voltar ao início

 

SOBRE O MAQUINÁRIO E O PROCESSO DE EXTRUSÃO

A linha básica produtiva para uma fabricação, por exemplo, de tubos corrugados para construção civil ou similar é composta de: Extrusora, cabeçote, corrugador, enrolador, e os assessórios misturador e moinho.

O processso de extrusão é um processo pelo qual é possível obter-se produtos acabados ou semi-acabados em regime contínuo, a partir de qualquer termoplástico como matéria prima. É um processo tremendamente versátil através do qual pode-se fabricar objetos como: tubos corrugados, mangueiras, filmes, perfis rígidos ou flexíveis, chapas, fibras, encapamento de fios elétricos, tarugos etc. Os equipamentos de extrusão podem ainda ser adaptados para produzir garrafas, ou outros artigos ocos, o que se chama extrusão por sopro. Para cada tipo de produto usa-se um periférico diferente, isto é, cabeçotes e matrizes diferentes, tipo de resfriamento, puxadores, enroladores, tipo de acionamento, e etc.. A máquina básica é a extrusora, que se compõe essencialmente de um corpo cilíndrico onde se coloca o plástico a ser fundido. Aplica-se pressão e calor neste material, forçando-o a passar de modo uniforme e constante através do cabeçote.

  • Extrusora - Consiste em um sistema composto de um motovariador, ou motor de corrente contínua; um redutor; uma caixa de rolamentos; um funil onde é depositado o material a ser extrudado; canhão aquecido a temperatura adequada para transformar o material granulado em massa; rosca com rotação e torque necessário para transportar a massa e forçá-la através do cabeçote e matriz onde se dá a forma final do perfil do produto; e um painel para comando e controle.
    • Canhão (ou cilindro) da Extrusora - É dentro do qual gira a rosca, ou fuso.  Fabricado em aço especial, normalmente SAE 8550, beneficiado e nitretado à gás.  Junto com a rosca, é a parte mais cara e importante da máquina. O interior do canhão possui um acabamento superficial suficientemente liso a fim de evitar que o material plástico fundido se cole na superfície quente. O sistema de aquecimento deve manter a temperatura do material tão uniforme quanto possível. O sistema de aquecimento mais utilizado é o de resistências elétricas, devido a facilidade de limpeza, manutenção, preço dos elementos, e eficiência térmica. Em algumas ocasiões há necessidade de se ter um sistema de resfriamento no canhão para que abaixar a temperatura com maior velocidade. O mais utilizado é o sistema de ventiladores que sopram o ar para o canhão e as resistências. O outro método é o das serpentinas de resfriamento à água envolvendo o canhão. Em torno do canhão deve haver um isolamento térmico para evitar as trocas de calor com o meio ambiente, permitindo uma regulagem de temperatura mais precisa.
    • Cabeçote da Extrusora - A extrusão de tubos exige um cabeçote que é composto pelo corpo, estrela, e tantas matrizes quanto o formato ou dimensões do produto a ser extrudado requeira. Para centralizar a matriz deveremos utilizar os 4 parafusos opostos para o controle de deslocamento mínimo da matriz. A matriz não deverá estar muito apertada para não exigir uma força exagerada nos parafusos de centralização, pois isso danificaria a rosca do conjunto. Não se deve usar qualquer prolongamento para deslocar a matriz, é preferível soltar um pouco os parafusos que prendem a mesma para facilitar sua centralização. O problema decorrente da má centralização é a irregularidade da espessura do tubo extrudado. O uso de silicone é indicado para a constante limpeza da matriz. Por sua alta resistência ao calor, impede a aderência de partículas queimadas do material na matriz evitando riscos no produto.
    • Bicos Corrugadores - Acoplados ao cabeçote, e perfazendo tantas unidades quantas forem as bitolas de fabricação desejadas.

  • Puxador Corrugador - A resina (matéria prima) em forma pastosa, após ser formatada no cabeçote, é submetida a um sistema de calibração e resfriamento, para assumir a forma definitiva do produto (corrugado ou liso). É onde se força a troca de calor entre o material plástico pastoso e o jogo de pastilhas corrugadoras, que são resfriadas por ar ou por água gelada para torná-lo rígido. Embora a extrusora empurre a matéria prima através do cabeçote, é necessário que após a solidificação o produto seja puxado a fim que se defina a sua espessura. Ou seja, quanto mais rápido o produto é puxado, mais fino será a parede do tubo, e vice-versa.

 

    • Moldes corrugadores - Jogos de pastilhas corrugadoras. Há necessidade de um jogo para cada bitola a ser fabricada. Normalmente cada jogo é composto de 82 pares de moldes, ou pastilhas.

Voltar ao início


Fontes:

  1. Corrugated Drainage Pipe Association (http://www.plasticpipe.org/);
  2. Apostila: Fabricação de Tubos Corrugados (criada por Frossard Tecnologia).

Voltar ao início



Beseen
TechDuto Corrugado Fábrica - SP
Av. Central, 620 - Chacaras Reunidas
São José dos Campos/SP
CEP: 12238-430 - vendas@techduto.com.br
Atendimento: Seg. a Sex. das 8:00 às 18:00
Telefone: (12) 3202-1096
São Paulo - SP: (11) 4063-3202
Rio de Janeiro - RJ: (21) 4063-8123
Vitória - ES: (27) 4062-9775
Belo Horizonte - MG: (31) 4063-9607
Florianópolis - SC: (48) 4052-8004
Porto Alegre - RS: (51) 4063-6650
Goiania - GO: (62) 4052-1214
Palmas - TO: (63) 4052-1042
Campo Grande - MS: (67) 4063-9407
Salvador - BA: (71) 4062-9703
Aracajú - SE: (79) 3028-9249
Recife - PE: (81) 3040-2236
Maceio - AL: (82) 3029-9249
João Pessoa - PB: (83) 4062-9520
Natal - RN: (84) 3034-9268
Fortaleza - CE: (85) 4062-8004
TechDuto Corrugado Fábrica - PE
Av. Professor Artur de Sá, 850
Recife/PE
CEP: 50740-520 - vendas@techduto.com.br
Atendimento: Seg. a Sex. das 8:00 às 18:00
Telefone: (81) 3040-2236